Ouriços-do-Mar

Os ouriços-do-mar são animais de pequena dimensão, espinhosos do filo Equinoderme tal como as estrelas-do-mar e os pepinos-do-mar, embora pertença à classe Echinoidea. Existem cerca de 950 espécies de ouriços-do-mar que habitam todos os oceanos desde do intertidal (área entre marés) até os 5000 metros de profundidade. A sua carapaça é redonda e espinhosa, com um diâmetro que geralmente varia dos 3 ao 10 cm; podendo ser colorida em tons de verde, castanho, púrpura, azul e vermelho. Deslocam-se lentamente, alimentando-se principalmente de algas sendo no entanto predadas por um grande número de animais como estrelas-do-mar e peixes. PICT0086 Entre as suas características mais relevantes, é de salientar:
  • Simetria pentarradiada como é reflectido na sua carapaça, distinguindo-se cinco zonas com pequenos orifícios por onde saem órgãos tubulares chamados de pés ambulacrários. Estas zonas ambulacrárias alternam-se entre si com cinco zonas interambulacrárias onde esses pés estão ausentes.
  • Endosqueleto (esqueleto interno) constituído por placas calcárias onde se inserem os espinhos.
  • Pedicelários que são estruturas normalmente em forma de pinça com três ramos que fazem a limpeza da carapaça e, por vezes, servem para captar alimentos.
  • Tubo digestivo completo, com a boca na face oral e o ânus na face apical. A sua boca tem cinco dentes, fazendo cada um parte de uma mandíbula interna. O conjunto das cinco mandíbulas denomina-se de lanterna de Aristóteles. Têm um estômago bem desenvolvido, podendo projectar a sua parte interior para fora da boca. A digestão dos alimentos é feita parcialmente in situ graças a enzimas lançadas sobre o mesmo, até ser ingerido quase liquefeito.
  • Sistema circulatório quase negligenciável.
  • Sistema respiratório constituído principalmente por brânquias, havendo outros órgãos que podem participar nas trocas de gases.
  • Gónadas desenvolvidas com os sexos separados.
  • Sistema ambulacrário, algo típico mas exclusivo de todos os equinodermes. Desempenha funções variadas, tais como na locomoção, captação de alimentos e por vezes nas trocas gasosas. É uma rede de canais especializados onde circula a água do mar que entra através dos inúmeros poros presentes na placa madrepórica que por sua vez dá acesso ao canal pétreo que comunica com anel ambulacrário que rodeia o esófago. Desse anel partem cinco canais radiais, estendendo-se cada um ao longo de uma zona ambulacrária. Aos canais radiais ligam-se pequenos tubos externos chamados de pés ambulacrários que terminam numa pequena ventosa. No extremo interno de cada pé ambulacrário existe uma ampola ambulacrária musculosa, cuja contracção injecta água no pé, fazendo-o distender-se, o que permite a sua fixação. O retrocesso da água para a ampola torna o pé flácido. O funcionamento combinado de todos os pés ambulacrários é suficiente para o animal pode subir superfícies verticais, fixar sobre as rochas batidas por vagas muito fortes.
slide_2 Uma espécie de ouriço-do-mar bastante comum na costa portuguesa é o Paracentrotus lividus, de aspecto globoso e esverdeado chegando até aos sete centímetros de diâmetro. Está densamente coberto de espinhos que são normalmente de cor púrpura embora possa variar para castanho claro ou escuro e cor de azeitona. Possui cinco a seis pares de poros em cada placa madrepórica. Os pés ambulacrários encontram-se em grupos de 5 ou 6, dispostos em pequenos arcos. É normalmente encontrados em substrato rochoso, entre as algas coralinas ou em poças de maré, entre o intertidal inferior e infralitoral, não tolerando baixas salinidades. Alimenta-se de uma grande variedade de algas verdes, castanhas e vermelhas, para além de ervas marinhas, tendo como predador alguns caranguejos europeus, estrelas-do-mar e peixes. PICT0097 São capturados sazonalmente, quando possuem as gónadas bem desenvolvidas, sendo um ex-libris da gastronomia local. Tal como as holotúrias (sedentários e habitats pouco profundos), estão sujeitos a sobreexploração. OLYMPUS DIGITAL CAMERA